PS dá “tiro de partida” para resolver problemas de trabalhadores dos ‘call center’


“O agendamento deste debate de atualidade por parte do Partido Socialista demonstra a centralidade que atribuímos a esta matéria e aos problemas que afetam um setor que, segundo os dados das associações representativas, empregam mais de 80 mil pessoas”, afirmou hoje o deputado do PS Tiago Barbosa Ribeiro, no arranque do debate de atualidade agendado pelos socialistas sobre regime de trabalho em ‘call center’.

“Há menos de um mês, discutimos nesta câmara uma petição com milhares de assinaturas promovida pelo Sindicato dos Trabalhadores de ‘call centers’ que expressava preocupações sobre as condições laborais nos ‘call centers’, sensibilizando os diferentes partidos para iniciativas legislativas neste domínio”, afirmou. “Nesse debate, independentemente da maior ou menor concordância com algumas das propostas da petição, dissemos que o PS não daria o tema por encerrado nessa tarde”, recordou.

“Hoje, cumprimos”, garantiu o parlamentar. “Dissemos que tínhamos disponibilidade para regulamentar a profissão e damos o tiro de partida com uma proposta que nos permitirá conhecer para melhor agir, estudar para depois intervir”, afirmou. “Os ‘call centers’ empregam estes milhares de trabalhadores e correspondem a uma fatia cada vez mais importante da nossa economia em setores que vão da banca aos seguros, das telecomunicações à energia, da saúde à administração pública, e por isso é no mínimo estranho que abrangendo um número tão importante de trabalhadores saibamos tão pouco sobre eles”, acrescentou.

Regulamentação da profissão em breve

A situação é tanto ou mais preocupante porque a pouca informação que há suscita mais dúvidas que certezas. “O que vamos sabendo suscita-nos profundas reservas a que não podemos ficar indiferentes”, alertou. “As especificidades do ambiente de trabalho em que os trabalhadores de centros de contacto desempenham as suas funções são reconhecidamente exigentes, sendo que os trabalhadores passam longos períodos, habitualmente sentados, usando em simultâneo um aparelho telefónico e um computador. É muitas vezes um trabalho desempenhado de forma ininterrupta por longos períodos de tempo em cada jornada de trabalho, com implicações na duração e qualidade das pausas, gerando um impacto negativo junto dos trabalhadores”, descreveu.

Segundo Tiago Barbosa Ribeiro “conhecer e as condições de trabalho nos ‘call centers’ é fundamental para que possamos intervir sobre eles” e é por isso que “o Partido Socialista propõe que o Governo, através do Gabinete de Estratégia e Planeamento do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, elabore um estudo sobre a realidade dos ‘call centers’ em Portugal que seja centrado nas dimensões relevantes para o bem-estar físico e psicológico dos trabalhadores”. “Com esta proposta que já demos entrada na Assembleia da República e com o debate desta tarde respondemos a duas preocupações: damos visibilidade às reivindicações dos trabalhadores deste sector e evitamos legislar a partir de uma base estranhamente ainda desconhecida e pouco escrutinada”, assegura, concluindo que “se trata de um passo muito relevante para que em breve se regulamente a profissão tendo por base uma radiografia social e laboral fidedigna”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *