“Prática que está recomendada para os funcionários públicos que têm telemóveis de serviço é que utilizem os que são fornecidos pelos serviços”


O primeiro-ministro, António Costa, afirmou hoje que Portugal segue “com toda a atenção” as suspeitas de espionagem chinesa em equipamentos móveis de quinta geração (5G), mas notou que “não depende da marca do telemóvel ser ou não escutado”.

“Há um entendimento geral [entre os Estados-membros] de que deve haver uma troca de informação relativamente a essas matérias […]. Portugal segue esse tema com toda a atenção, tendo em conta que a Altice e a Huawei assinaram um acordo de cooperação”, afirmou hoje o chefe de Governo aos jornalistas em Bruxelas, no final do Conselho Europeu de primavera.

Após um encontro em que foram debatidas as relações da União Europeia (UE) com a China e também os avanços tecnológicos do 5G, que têm sido marcados pelas suspeitas de espionagem chinesa por parte da Huawei, António Costa assinalou que “não depende da marca do telemóvel ser ou não escutado”.

Esta posição surge no seguimento de uma notícia do jornal Público na quinta-feira, que dava conta que o atual executivo desaconselhou, antes desta polémica do 5G, o uso de telemóveis e outros dispositivos “oferecidos por empresas a funcionários da administração do Estado”, nomeadamente da Huawei.

Em reação, o governante notou que “há uma prática normal que está recomendada para que os funcionários públicos que têm telemóveis de serviço utilizem os que são fornecidos pelos serviços e não por qualquer outra entidade”.

“É uma norma de segurança do Estado português que existe e que é respeitada”, reforçou.

Aludindo às suspeitas de espionagem da Huawei, António Costa indicou que, “até este momento, quer a Anacom [Autoridade Nacional de Comunicações], quer o Centro Nacional de Cibersegurança não deram qualquer indicação de que houvesse um risco diferenciado” por parte desta empresa.

Por isso, “não devemos ficar para trás nesta corrida relativamente à infraestrutura tecnológica, a não ser que haja razões ponderosas que o imponham”, vincou.

“Não podemos nem devemos retardar – salvo por razões justificadas – um processo de modernização que exige um suporte tecnológico desta nova rede para desenvolver atividades fundamentais na área da internet das coisas, da autonomia da mobilidade, da inteligência artificial”, salientou António Costa.

O primeiro-ministro afirmou que Portugal, assim como os outros Estados-membros da UE, aguardam que a Comissão Europeia “estabeleça os padrões essenciais do ponto de vista técnico que devem ser cumpridos para assegurar a segurança e a resiliência das redes de comunicação”.

Em causa estão as conclusões do Conselho Europeu que hoje termina.

No documento, divulgado no final do encontro, os líderes da UE afirmam aguardar “com expectativa a recomendação da Comissão para uma abordagem concertada de segurança nas redes 5G”.

Ainda assim, os responsáveis defendem que a União “precisa ir mais longe no desenvolvimento de uma economia digital competitiva, segura, inclusiva e ética, com conectividade a nível mundial”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *